Bombeiros Voluntários de Alvaiázere celebraram 75º aniversário

Inauguração do monumento "Memorial do Bombeiro" foi o ponto alto das comemorações

O dia 8 de março foi um dia marcante para a Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Alvaiázere (AHBVA), que comemorou o seu 75º aniversário ao serviço da comunidade. As comemorações iniciaram-se logo pela manhã, aquando do toque da sirene para a formatura e constituição da Guarda de Honra para o hastear da bandeira, ao qual se seguiu um desfile apeado e motorizado que percorreu as ruas da vila. Cumprindo a tradição, o padre Celestino Brás celebrou uma Missa em homenagem a todos os bombeiros e diretores já falecidos, seguindo depois em romaria até ao cemitério.

Cerca das 12 horas, o presidente da Câmara Municipal de Alvaiázere, Paulo Morgado, procedeu à inauguração do Memorial do Bombeiro, uma estátua da autoria de três artistas, um dos quais alvaiazerense. O monumento encontra-se no início da rua que dá acesso ao Quartel dos Bombeiros, por onde seguiu a comitiva afim de efetuar a receção às entidades convidadas.

A sessão solene teve lugar no parque de viaturas do quartel, presidida pelo Secretário de Estado da Administração Interna, João Pinho de Almeida. O primeiro a tomar a palavra foi o presidente da Assembleia-Geral da Associação, João Guerreiro. Na sua intervenção, João Guerreiro começou por dar as boas vindas e agradecer a presença das várias autoridades civis, religiosas, funcionários, sócios, benfeitores e amigos na celebração de um momento único da história da Associação. O presidente recordou a coragem dos fundadores, que não hesitaram em pôr mãos à obra na construção de um sonho, salientando "que os bombeiros têm que continuar a dar o seu melhor para que daqui a 75 anos outros possam estar aqui a homenagear-nos". Por fim, reforçou a grandeza da Instituição, que supera qualquer divergência pessoal ou profissional, apelando à união e motivação de todos em torno de um objetivo comum.

Seguiu-se o Comandante dos Bombeiros Voluntários de Alvaiázere, Vítor Joaquim, que procedeu a promoções, condecorações e passagens ao quadro honorário de diversos elementos da corporação, abordando também os números que marcaram o ano transacto: 2934 alertas, 5670 bombeiros, que perfizeram um total de 9702 horas de serviço à comunidade. "Não podemos esquecer a dedicação destes homens e mulheres a uma causa, o sacrifício pessoal e da sua família, o abdicar de outras atividades para prestar serviço à população", fez questão de frisar. Apesar disso, o reconhecimento do trabalho dos bombeiros é pautado por escassos meios de proteção, ao nível de equipamentos e fardas e por algumas burocracias, de que é exemplo a promoção dos estagiários, cuja demora muitas vezes os leva a desistir. Ciente da importância dos Soldados da Paz, Vítor Joaquim deixou o mote "voluntários por opção, profissionais na ação", ficando a promessa de que é assim que continuará a ser.

Jaime Soares, presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses, reforçou a ideia do Comandante Vítor Joaquim, de que "voluntariado não é sinónimo de amadorismo, mas sim de profissionalismo. Por isso mesmo, é necessário criar condições de sustentabilidade económica, porque no momento de atuar, um bombeiro não pode ter qualquer tipo de falhas." No âmbito do financiamento dos Bombeiros, Jaime Soares pediu a colaboração da Associação de Municípios e do poder local enquanto embaixadores, reiterando que estes são os principais utilizadores dos serviços e devem por isso conhecer a situação no terreno, todo o desgaste físico e psicológico a que estão sujeitos, para garantir o bem-estar da população. "Respeitem-nos e nós respeitaremos, ajudem-nos e nós ajudaremos, honra e glória aos Bombeiros de Portugal", proclamou Jaime Soares.

"Não nos podemos esquecer de aproveitar, acarinhar e fomentar o voluntariado dos bombeiros, que são o melhor exército para dar socorro e prestar auxílio ao próximo" frisou Paulo Morgado, presidente da Câmara Municipal de Alvaiázere e da AHBVA. No âmbito das comemorações das bodas de brilhante (75 anos) dos Bombeiros, o autarca anunciou a todos os presentes que o Município está a desenvolver um conjunto de iniciativas para assinalar a data, nomeadamente a homenagem a todos os quadros e comandantes da corporação, com a afixação de quadros datados; a produção de lembranças e ainda a publicação de um livro que conta a História da Instituição, que servirá de registo e perpetuação da memória coletiva. Paulo Morgado deixou ainda um pedido: "estas instalações são a nossa casa e têm vindo a apresentar debilidades que urgem resolver. Não temos meios económicos para fazer obras de requalificação, por isso desafio e apelo aos quadros de honra e reserva e à comunidade em geral para que lancemos mãos à obra para promover essa melhoria. Creio que a resposta será positiva e vou edificar esforços e contactos que nos possam ajudar gratuitamente. Tenho a certeza de que vamos honrar este desafio, sejamos capazes de fazer a diferença e não esperar que façam por nós."

Enquanto chefe de cerimónias, o vice-presidente da AHBVA Joaquim Simões leu o despacho da Ministra da Administração Interna, Anabela Rodrigues, que atribuiu à Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Alvaiázere a medalha de mérito de proteção e socorro grau prata em reconhecimento do mérito no socorro e proteção da população. A distinção foi colocada no estandarte da Associação pelo Secretário de Estado da Administração Interna, João Pinho Almeida, e pelo Major General Grave Pereira, presidente da Autoridade Nacional de Proteção Civil.

João Pinho de Almeida usou da palavra seguidamente, naquela que foi a última intervenção da sessão solene. O Secretário de Estado, em nome do Governo de Portugal, fez um reconhecimento público da coragem e pioneirismo dos fundadores da corporação, bem como de todos aqueles que fizeram cada dia destes 75 anos e que dedicam o seu tempo e a sua vida ao serviço público. Salientou ainda os bons alicerces da Instituição e a capacidade que esta tem de se renovar e de trazer gente nova, com disponibilidade total para a proteção e socorro. Abordando também a questão do financiamento, tal como o comandante Jaime Soares, João Pinho de Almeida referiu que a Lei de Financiamento dos Bombeiros será elaborada na Assembleia da República, onde todos se podem e devem pronunciar, e que os Municípios devem seguir esta negociação, uma vez que o financiamento condiciona a ação e a resposta imediata dos corpos de Bombeiros Voluntários. "O voluntariado existe, é um valor, falta-lhe o enquadramento para que possa haver concretização prática, por isso não nos podemos fechar em gabinetes e planeamentos, temos que ter noção do que se passa no terreno", sublinhou.

Antes do almoço confecionado e servido no quartel dos Bombeiros, o padre Celestino Brás benzeu a nova viatura que entrou ao serviço da corporação e Paulo Morgado, juntamente com João Pinho de Almeida, descerrou a placa comemorativa do 75º aniversário da Associação.

Cláudia Martins