Notícias Breves

Em reunião ordinária realizada no passado dia 3 de novembro, a Câmara Municipal de Alvaiázere deliberou por maioria (com três votos a favor e dois votos contra) fixar a taxa do Imposto Municipal Sobre Imóveis (IMI) dos prédios urbanos em 0,35%.

O Partido Socialista apresentou a contraproposta de reduzir esta taxa para os 0,30%, uma vez que a diferença seria residual e que seria preferível fixar a taxa no seu valor mínimo, concordando com as majorações e minorações aprovadas e também com as medidas de apoio.

No passado dia 10 de novembro foram revelados os dados do estudo “Poder de Compra Concelhio” efetuado pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) com base em dados de 2015. Segundo pode ler-se no site do INE, este estudo “caracteriza os municípios portugueses sob o ponto de vista do poder de compra, a partir de um conjunto de indicadores resultantes de um modelo de análise fatorial”.

Na última edição do Jornal “O Alvaiazerense” foi publicada a notícia de que o concelho de Alvaiázere seria um dos 17 Concelhos nos quais seria proibido caçar a partir do dia 30 de setembro, em virtude de ter sido fustigado pelos incêndios florestais.

O Município de Alvaiázere foi galardoado com a “Bandeira Verde ECO XXI 2017”, com uma pontuação bastante satisfatória, tendo ainda sido distinguido como o Município com a água de melhor qualidade para o consumo humano.

Ao início da tarde de 7 de outubro a freguesia de Almoster não escapou à tragédia dos incêndios florestais.

Com o ponto de ignição junto do lugar de Lameirão, rapidamente as chamas se estenderam para os lugares de Azenha, Almoster, Cumeada, Casal da Rainha, Vale da Couda, chegando perto do lugar de Ariques.

Ao final do dia, o incêndio foi dado como controlado, estando parte em fase de rescaldo e uma zona ativa junto ao Couto (Vale da Couda), uma vez que anoiteceu e os meios terrestres não conseguiam acesso ao local do incêndio.

No mês de agosto, o Município de Alvaiázere lançou um alerta dirigido à população relativamente a falsos pedidos que estão a ser feitos para recolher água para análise. O alerta foi lançado depois de o Município ter tido conhecimento que estavam a ser feitos contactos telefónicos aos munícipes, questionando a disponibilidade para se deslocarem até às suas habitações para proceder à recolha de água para análise.

Alvaiázere é um dos 17 concelhos afetados pelos incêndios florestais nos quais é proibido o exercício da caça a partir do dia 30 de setembro, de acordo com um decreto-lei publicado no dia 25.

Neste diploma, publicado pelo Ministério da Agricultura, é referido que na época venatória 2017/2018 é proibido caçar qualquer espécie cinegética “nos terrenos situados no interior da linha perimetral da área percorrida por incêndio, ou grupos de incêndios contínuos de área superior a 1000 hectares, bem como numa faixa de proteção de 250 metros”.

O Centro de Saúde de Alvaiázere é um dos estabelecimentos de saúde referenciado para a contratação de mais clínicos de medicina geral e familiar, num despacho conjunto dos Ministérios das Finanças e da Saúde, publicado em Diário da República (Despacho nº 7788/2017, Diário da República nº171/2017, de 5 de setembro).

Eram 19h40 do dia 11 de agosto quando se registou um foco de incêndio no lugar dos Bispos, freguesia de Pussos S. Pedro, que rapidamente se propagou aos concelhos vizinhos de Ferreira do Zêzere e Figueiró dos Vinhos.

No combate a este incêndio, que chegou a ter quatro frentes ativas em povoamento florestal, estiveram envolvidos 320 operacionais e 99 meios terrestres, segundo dados da Autoridade Nacional da Proteção Civil.

O Município de Alvaiázere é um dos dez Municípios que elaborou e submeteu a aprovação do Plano Municipal de Mobilidade Elétrica, que prevê a atribuição de um total de vários pontos de carregamento em Municípios estratégicos, de forma a reduzir as distâncias entre os pontos já existentes.

Para além de Alvaiázere, os Municípios de Abrantes, Chaves, Elvas, Estremoz, Seixal, Trofa, Valença, Vendas Novas e Vila Nova da Barquinha manifestaram também o seu interesse em integrar a Rede Portuguesa de Cidades Inteligentes e o Programa para a Mobilidade Elétrica em Portugal.