Notícias Breves

À semelhança do resto do país, também o nosso Concelho foi palco de alguns incêndios durante o mês de agosto, todos eles prontamente atacados pelos bombeiros, não causando danos de maior, nem pondo a vida e habitações das pessoas em perigo.

Um incêndio, no dia 14, na localidade de Carvalhal de Pussos, com início às 15h04, em povoamento agrícola, chegou a ser combatido por 50 homens, 10 veículos e dois meios aéreos. Prontamente atacado pelos bombeiros, não causou danos de maior, tendo ardido alguma área com árvores, nomeadamente oliveiras.

As primeiras notícias foram avançadas pela “radioHertz” no dia 26 de agosto e davam conta de “suspeitas de violação” de uma jovem de 19 anos, em Maçãs de D. Maria.

“O Alvaiazerense” entrou em contacto com a Guarda Nacional Republicana que nos confirmou que a “vítima foi encontrada inconsciente e com muitos hematomas, na madrugada de domingo dia 25, junto ao recinto da festa de Maçãs de D. Maria, tendo os primeiros socorros sido prestados pelos BVA. O seu estado de saúde era de tal forma delicado que foi transportada para a urgência do Hospital da Universidade de Coimbra.

João Nuno Castelhano foi ordenado padre a 30 de junho, pelas 16h, na Sé Nova de Coimbra, por D. Virgílio Antunes, bispo naquela diocese. A ordenação sacerdotal contou com a presença de muitos fiéis, provenientes da paróquia natal de João Nuno (Seixo, Mira) e daquelas que tem servido ultimamente, nomeadamente Alvaiázere, Ansião e Beco.

Um incêndio deflagrou numa zona florestal na localidade de Melgaz, Pussos São Pedro, no dia 11 de julho. O alerta foi dado por um vigia florestal pelas 14h16 e o incêndio chegou a ter duas frentes ativas.

O incêndio desenvolveu-se de forma “muito violenta e muito forte”, referiu Mário Bruno, comandante dos Bombeiros Voluntários de Alvaiázere, em declarações à SIC Notícias.

O comandante destacou ainda a “resposta musculada e rápida” de todos os meios envolvidos, perante este cenário e tendo em conta as temperaturas que neste dia se fizeram sentir, a rondar os 40ºC.

Entre os dias 1 e 2 de agosto, os dez concelhos que compõem a Comunidade Intermunicipal da Região de Leiria (CIMRL) vão receber a passagem do pelotão da 81.ª Volta a Portugal em Bicicleta.

A primeira etapa da Volta a Portugal irá passar no Concelho, no dia 1 de agosto, no percurso que liga Miranda do Corvo a Leiria. Os corredores entrarão no território alvaiazerense na zona de Alqueidão, vindos de Arega, dirigindo-se depois para Alvaiázere. Subirão ao lugar de Porta e enfrentarão a descida da Serra de Alvaiázere em direção a Ansião, passando assim junto a Almoster.

Vai nascer em Almoster - perto da EN350, na estrada que liga a nacional ao Candal - um mercado para comercialização de pequenos ruminantes – cabras, ovelhas, cabritos, etc. “A ideia da feira de gado surgiu de uma candidatura da Terras de Sicó e que contempla a criação de dois mercados de gado, além daquele que já existe em Vila Cã”, referiu Paulo Reis Silva, presidente da Junta de Freguesia de Almoster.

O parecer desfavorável do Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), em relação às obras de beneficiação e ampliação da zona industrial de Troia, fizeram com que o Município de Alvaiázere pensasse numa alternativa. Assim, vai nascer em S. Pedro, freguesia de Pussos S. Pedro, uma nova zona industrial, que representa um investimento de aproximadamente 1,7 milhões de euros. “Neste momento estamos a dar continuidade a todos os tramites necessários à constituição da zona industrial.

Desde o dia 7 de maio que a Junta de Freguesia de Alvaiázere começou a prestar um novo serviço à população, os serviços de Posto de Correios. O horário de funcionamento é das 9h às 12h30 e das 14h às 17h30, todos os dias úteis da semana.

Decorreu, na manhã do dia 28 de maio, na Câmara Municipal de Alvaiázere, a assinatura do protocolo de cedência de utilização da escola primária de Maçãs de D. Maria ao Grupo Motard 5 Vilas.

Com a época balnear à porta, as Piscinas Municipais Descobertas (com abertura prevista para 23 de junho) poderão ter de encerrar mais cedo, devido às obras que terão de ser feitas até 31 de dezembro deste ano. A possibilidade está em cima da mesa, contudo a presidente da CMA, Célia Marques, prefere não dar confirmação, até porque “estamos a falar com as entidades oficiais, por quem é responsável pela cedência da verba para o Município, de modo a perceber se há viabilidade para não executar a obra neste período”.